Blog do Paulus: Composto encontrado no alecrim impede degeneração macular

Composto encontrado no alecrim impede degeneração macular


Alecrim 
 Pesquisadores do Sanford-Burnham Medical Research Institute, nos EUA, descobriram que um componente do alecrim promove a saúde ocular.

O estudo sugere que o ácido carnósico pode ser uma nova abordagem para o tratamento de condições como a degeneração macular em humanos. A pesquisa foi publicada na revista Investigative ophthalmology & visual Science.

Ervas amplamente utilizadas ao longo da história em asiáticos e culturas europeias têm recebido atenção da medicina ocidental nos últimos anos. Os cientistas estão agora isolando os compostos ativos em muitas ervas medicinais e documentando suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

Agora, Stuart A. Lipton e seus colegas verificaram que o ácido carnósico protege a retina de degeneração e de toxicidade em culturas de células e em modelos de roedores com lesão na retina induzida pela luz.

Os seus resultados sugerem que o ácido carnósico pode ter aplicações clínicas para as doenças que afetam a retina externa, incluindo a degeneração macular, doença ocular mais comum nos EUA.

A degeneração macular provavelmente tem muitas causas subjacentes. No entanto, estudos anteriores sugerem que a doença pode ser retardada ou melhorada por substâncias químicas que combatem os radicais livres e que danificam as membranas e outros processos celulares.

A equipe de Lipton descobriu pela primeira vez há alguns anos que o ácido carnósico combate danos dos radicais livres no cérebro.

Em seu último estudo, Lipton e seus colegas inicialmente investigaram o mecanismo de proteção do ácido carnósico em culturas de laboratório de células da retina.

Os pesquisadores expuseram as células ao peróxido de hidrogénio, a fim de induzir o estresse oxidativo, um fator que contribui para a progressão de doenças oculares como a degeneração macular e retinite pigmentosa.

Eles descobriram que as células tratadas com o ácido carnósico desencadearam a produção de enzima antioxidante nas células, o que por sua vez reduziu os níveis de oxigênio reativo e de espécies de azoto (radicais livres e peróxidos que danificam as células).

Potencial terapêutico
Após o sucesso com células da retina, Lipton e seus colegas testaram o ácido carnósico em um modelo animal com danos nos fotorreceptores, parte do olho que converte a luz em sinais elétricos, permitindo a percepção visual.

Em comparação com o grupo não tratado, roedores tratados previamente com ácido carnósico retinham uma espessa camada nuclear externa do olho, o que indica que os fotorreceptores estavam protegidos. Os ratos tratados com ácido carnósico também exibiram melhor atividade eletrorretinograma, medida da função de fotorreceptores saudáveis.

"Nós estamos agora desenvolvendo derivados melhorados do ácido carnósico e compostos relacionados para proteger a retina e outras áreas do cérebro de uma série de condições degenerativas, incluindo a degeneração macular e várias formas de demência", conclui Lipton.

Fonte: ISaúde

Sessão de Comentários

Atenção!
Comentários enviados por e mail ou redes sociais não serão respondidos!
Favor deixar sua dúvida ou pedido de contato com o autor apenas nesta sessão de comentários do blog.

recomendamos a leitura

Paulus Maciel se reserva no direito de usufruir da liberdade de expressão assegurada pela constituição federal:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação independentemente de censura ou licença